Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conversa de Homens

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Drones vão salvar vidas no Ruanda

Drone entrega no Ruanda

 

Os drones estão na moda. Este é um facto incontornável dos últimos 3 anos e muito dificilmente há quem não tenha já olhado para o céu e visto um destes pedaços de tecnologia. Ou pelo menos, já se cruzou com uma série de imagens captadas por um drone.

 

Conhecidos há muito tempo pelo uso militar, os drones estão agora vocacionados para lazer e podem mesmo salvar vidas. Há, ainda, muitas questões relativas à segurança e privacidade, que têm de ser legisladas e, por isso mesmo, o negócio de entregas, por exemplo, nas grandes cidades, é ainda um cenário de futuro.

 

No Ruanda, a partir do verão, os drones vão salvar vidas. A Zipline, uma startup de Sillicon Valley, vai lançar, em colaboração com o Governo do Ruanda, um programa de entrega de medicamentos, vacinas e sangue, a hospitais localizados em zonas de difícil acesso.

 

Uma frota de 15 drones não tripulados, com capacidade para fazer entregas até uma distância de 60 quilómetros, servirá de teste num país onde a legislação está a ser colocada atrás da necessidade médica, com o objetico de salvar centenas de vidas de pessoas com a entrega de um "simples" pacote com sangue.

 

Há já algum tempo que os gigantes da indústria (como o Google e Amazon) falam da possibilidade de entregas ao domícilo através de drones, nos Estados Unidos, mas a necessidade de legislação tem impedido o avanço deste serviço. Os testes, no entanto, têm sido feitos de forma controlada. Num futuro próximo, será incontornável a utilização desta tecnologia para diversos serviços.

 

Com esta estratégia, a Zipline dá um passo em frente nas experiências, com o objetivo de lançar o serviço em mais países africanos. Quando se olha para o Continente Africano, com os níveis de pobreza elevados, é difícil perceber porque razão se aposta em tecnologia nestes países. Este serviço será uma das respostas.

 

Zipline - Delivery Route.png

O Ruanda é um dos países mais pobres do mundo, está na posição 170, num ranking do FMI de 2014, que avalia o PIB dos países.

 

Além disso, é preciso não esquecer que existem fundos, com vários milhões de euros, a apostar em África, em projetos de tecnologia. É aqui que existe o maior potencial de crescimento e onde a tecnologia pode fazer a diferença entre a vida e a morte de milhares de pessoas, em especial crianças e mulheres.

Depois deste teste, talvez seja em África que vamos ver os primeiros serviços de entrega em casa, com custos realmente baixos.

 

Entregas que salvam vidas

Com este projeto do Ruanda, os 15 drones não tripulados terão capacidade para realizar entre 50 a 150 entregas por dia. E tudo funciona de forma muito simples. Com o envio de um SMS, por parte de um profissional de saúde, através da rede móvel do Ruanda, o drone fica pronto para levantar voo em poucos minutos, chegando ao destino sem preocupação com os acidentes do terreno e a ausência de infraestruturas que impedem a chegada, por outros meios. A embalagem, transportada num contentor refrigerado, é largada com recurso a um paraquedas. O Drone, regressa à base de onde partiu para substituir a bateria e receber novas instruções através do cartão SIM.

 

A questão da refrigeração é crucial nesta operação já que, normalmente, no caso do sangue, os pacientes acabam por ser tratados com sangue sem condições de utilização.

 

No limite, olhando para as previões de entregas, este projeto pode significar salvar 150 vidas por dia.

Os drones alcançam velocidades de 100 km/hora e podem voar, com recurso a GPS, em segurança com ventos até 48 kmh.

 

O problema detetado no Ruando assenta no facto de mais de dois milhões de pessoas não terem acesso a bens médicos essenciais, devido às dificuldades de acesso. A consequência, mais de 2,9 milhões de crianças, com menos de 5 anos, morrem todos os anos. E, de acordo com os dados existentes, cerca de 150 mil mortes relacionadas com a gravidez poderiam ser evitadas se as mães tivessem acesso a sangue saudável.

 

A escolha do Ruanda, de acordo com a informação da Zipline, assenta no facto de ser um país com uma dimensão que permite operacionalizar todo este sistema a partir de uma única base e cobrindo todo o território.

Esta demonstração servirá para provar as vantagens da utilização dos drones e para a necessidade de uma legislação mais célere que permita um serviço idêntico também nos países ditos civilizados.

Mapa das operações da Zipline no Ruanda

A utilização dos drones tem um potencial de negócio a grande escala mas, além da legislação específica e regras de segurança (já que além dos acidentes há todas as questões relacionadas com roubos) é crucial uma forte cooperação entre as empresas, já que não será fácil coordenar o espaço aéreo em zonas de grande densidade populacional.

 

A abertura do Governo do Ruanda a esta tecnologia tem também por base a intenção de se tornar numa espécie de rampa para os negócios tecnológicos no continente africano.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.