Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conversa de Homens

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Let's talk about sex, baby!

turtles-681698_1280.jpg

 

Os homens são um bicho que passa o dia a pensar em sexo e não pode ver um rabo de saia sem que lhe passem pela cabeça milhares de situações hipotéticas do que poderia fazer se lhe pusesse as mãos em cima. Creio que a descrição cabe naquilo que as mulheres pensam de nós. E têm razão...

 

Os homens, está provado cientificamente, pensam mais em sexo do que as mulheres. As mulheres, até devido à montanha russa de emoções, provocadas pelas alterações hormonais, sentem menos desejo (leia-se, pensam menos no tema). Normalmente, precisam de mais motivação, de atenção, palavras, carinhos, antes de se deixarem invadir pelo desejo.

 

Foi sempre assim e vai continuar a ser. É daquelas coisas que a natureza criou há milhares de anos e que vai acompanhar a humanidade até ao final dos seus dias. Estou a ver ali aquela senhora com ar desaprovador. Certo, haverá excepções. Nem a ciência estudou todas as mulheres e dificilmente as consegue explicar. E já todos ouvimos falar das ninfomaníacas. Em jeito de declaração de interesses, esclareço desde já que desaprovo o uso do termo.

 

Serão essas as excepções. Sempre foi assim, um homem "rodado" é um macho mas no que toca a uma mulher, basta terem tido mais do dosi namorados e são logo rotuladas, apelidadas como adeptas da profissão mais antiga do mundo. Já seria tempo de mudar esta mentalidade.

As mulheres, ao longo dos tempos, ao contrário dos homens, sempre foram reprimidas no que ao sexo diz respeito. Sim, foram em muitas outras coisas, mas é de sexo que estamos a falar.

 

Os homens, desde a infância, têm maior aceitação e integração com o erotismo. Desde a masturbação, à leitura da playboy (que ameaça acabar com este sonho, deixando espaço para a Internet), tudo serve para despertar as senções eróticas masculinas. Permitindo que, na idade adulta, a mente absorva mais desejo.

 

Nas mulheres, tudo isto surge mais tarde. Poderá a Internet estar a mudar este facto, uma vez que as raparigas também têm acesso a conteúdo erótico à distância de um dedo, no telemóvel?

 

Falar de sexo continua a ser um tabu para as mulheres.

 

Mas, mesmo que isso venha a provar-se uma realidade, para as mulheres feitas, sobre quem esta conversa se debruça, nada disto aconteceu. Os pais, apanharem uma Playboy escondida algures, no caso dos rapazes, era quase um motivo de orgulho.

Se algo sucedesse a uma rapariga, era motivo para as arrastarem até à Igreja para tentar afastar o demónio. Portanto, sempre mantiveram o desejo mais reprimido, chegando à idade adulta a tentar esconder, reprimindo o seu desejo.

 

Mas ele está lá e normalmente aparece no decorrer da relação sexual. Por isso, e como o sexo consensual é algo que todos gostam, em vez de "inventarem" a famosa dor de cabeça ou justificarem o cansaço como a ausência de "vontade", as mulheres precisam de aprender a aceitar, de forma natural, mais estímulos.

 

Porque razão mudar de canal ou desviar o olhar quando o filme atinge aquele momento mais erótico? Se ficarem a ver, não gostam? E quando estão sozinhas, não se deixam ficar a ver, sem medo de serem criticadas? Abracem essa sensação.

Quando lêm um livro com uma descrição mais apimentada, não sentem essa vontade a percorrer o corpo? Naqueles dias (raros) em que a vontade se sobrepõe, e se rendem ao desejo, não gostam?

 

Creio que se responderem honestamente a estas questões vão perceber que, se calhar, os homens não estão assim tão errados. O desejo, aquilo que passa pela cabeça, o que imaginamos, vale quase mais do que um toque.

 

Quando o homem está muito desejoso, a cabeça anda a mil e isso leva a que as coisas acelerem. O homem sente que quer estar em todo o lado ao mesmo tempo, quer colocar em prática tudo o que foi pensando ao longo de horas, acumulando durante dias, e no momento decisivo a excitação é tão grande que não tem tempo para pensar em muito mais.

Principalmente quando a mulher, que provavelmente até começou mais devagar, começa a sentir desejo. O corpo liberta-se e o homem sente isso como um poder heróico.

Neste momento, não há nada que o consiga travar. Mesmo que ele sinta que pode voar, movimentar-se à velocidade de um eletrão, a determinada altura quer evitar o fim. Inevitável!

 

Mas, fora esta análise, quando o desejo da mulher surge já em plena ação, em que momentos a mulher deixa que o desejo chegue antes da excitação?

 

- Durante a conquista: Creio que todos os que já passaram por uma ou mais relações sabem que na altura da conquista, quando homem ou mulher, se mostram mais abertos, os beijos são mais ardentes, como se elas nos quisessem devorar. A sensação que se conhece como "primeiro beijo". Sim, com o tempo as coisas acalmam no dia a dia para surgirem "naquele momento". Mas elas, (não deviam), retraem-se mais.

 

- Reconciliação: Quando se zangam, e ela sente que pode estar em risco a relação (partindo do princípio que não a quer perder), é quase inato, o medo de o perder sobrepõe-se a tudo o resto e o desejo invade-a, pois sabe que dessa forma pode voltar a acalmar as coisas. Da mesma forma que se soltam muito mais quando há mais do que uma mulher com os olhos postos no mesmo homem. É uma verdadeira guerra de líbido.

 

Acho que todos os homens passaram por momentos de secura, a correr atrás da primeira que embarque na conversa do bandido, ficando com aquela sensação de quanto mais tenta mais parece que elas se afastam. E naquela fase em que está quase a desistir, assomado pela frustração, deixa de lhes ligar e elas aparecem quase em simultâneo, a mostrar interesse. Elas não gostam de ser recusadas ou esquecidas. Gostam de ser o centro das atenções e poder controlar. Afinal, o título de sexo mais forte tem de ter uma origem!

 

- Ciclo Menstrual: Durante o ciclo menstrual a líbido também aumenta em algumas fases, não obrigatoriamente no período de ovulação, quando a mulher está mais fértil. Esta fase varia de mulher para mulher mas, cientificamente está provado que este aumento da líbido é acompanhado de maior desejo.

 

Ou seja, elas também pensam em sexo, quando pensam, mas são mais complexas. O homem deixa-se dominar mais facilmente pelos pensamentos primitivos do desejo. Mas o sexo, por si só, não é ele fantasticamente primitivo?

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Paulo M. Guerrinha 19.10.2015 15:23

    Obrigado pela partilha, Maria, mas lá está, mesmo estando consciente para o facto, continua a considerar que falar do tema é impróprio. :)
    Mas essas reuniões são vistas como uma festa alternativa, "arrojada"...
  • Imagem de perfil

    Maria das Palavras 19.10.2015 17:24

    Sim, é verdade, fiz isso quase sem querer. Totalmente sem querer, aliás. Ora bolas, que caminho longo que temos ainda a percorrer!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.